Google Chrome dentro do IEca! Yes, we can!

sexta-feira, 24 de setembro de 2010, 17:17 Eduardo Rolim 2 Comentários

Popout


Se você está preso em uma versão antiga do Internet Explorer no trabalho, mas tem privilégios suficientes para instalar um plug-in, o Google Chrome Frame acabou de sair do beta. O plug-in para IE processa as páginas usando a engine de renderização do Chrome em vez do IE - ou seja, você poderá usar páginas da web avançadas mesmo se for forçado a usar um navegador sem segurança e ultrapassado. O Google Chrome Frame Funciona no Internet Explorer 6, 7 e 8.

Por enquanto, o Chrome Frame requer provilégios administrativos para instalar o plug-in, o que pode ser um problema se você estiver em um confinamento severo de TI, mas isto pode não ser um problema no futuro. Do post do Google (destaque nosso):

Nós colocamos metas agressivas para lançamentos futuros: estamos trabalhando para tornar a inicialização ainda mais rápida e em remover o requisito atual de direitos administrativos para instalar o plug-in.

Interessante. [Google Chrome Frame via The Chromium Blog]

2 Comentários:

Todos os comentários serão moderados (lidos e avaliados) antes de serem postados. Não serão tolerados comentários que:

- Contenham ofensas pessoais ou difamação contra qualquer pessoa ou marca.
- Declarem ou incentivem o racismo ou qualquer tipo de preconceito.
- Possuam links de comércio eletrônico, conteúdo adulto ou divulgação de qualquer site.

Sua opinião é sempre bem vinda e dúvidas serão esclarecidas na medida do possível. :)

Ensaio sobre Aniversários

sábado, 18 de setembro de 2010, 18:30 Eduardo Rolim 4 Comentários

Aniversário. Repetição do dia do mês em que você nasceu. Mais uma volta completa em torno do Sol. Retorno ao começo do ciclo sazonal do nascimento. Tudo isso significa a mesma coisa. Que você está ficando mais velho.

Não entendo muito bem o sentido dessa comemoração, porque na realidade todo o tempo estamos envelhecendo, só não nos lembramos disso nos outros 364 dias do ano. As pessoas gostam muito de rever momentos do passado, comemorar com amigos, festejar ... mas é só mais um dia sem muito sentido, como vários que permeiam o nosso calendário. A única diferença é que esse dia podemos chamar de nosso dia, nosso feriado pessoal...




Eu não sei o que têm de tão especial nesse dia:

883.699.200 segundos
14.728.320 minutos
245.472 horas
10.228 dias
1.461 semanas
336 meses
28 anos

Eu prefiro, no entanto, comemorar uma outra data especial. O dia que completei 10.000 dias de nascido. Foi numa quarta-feira chuvosa do dia 3 de fevereiro. Meus amigos comemoraram comigo. E só. E espero também comemorar outras datas:
  • 1.000.000.000 segundos, dia 27 de maio de 2014...
  • 15.000.000 minutos, dia 27 de março de 2011...
  • 250.000 horas, também dia 27 de março de 2011...
  • 15.000 dias, dia 13 de outubro de 2023...
  • 1500 semanas, dia 18 de junho de 2011...



Também gosto de pensar que faço ...

Em Mercúrio, 150 anos dia 4 de novembro de 2018...
Em Vênus, 50 anos dia 22 de junho de 2013...
Em Marte, 15 anos dia 4 de dezembro de 2010...
Em Júpiter, 3 anos dia 14 de abril de 2018...
Em Saturno, 1 ano dia 20 de fevereiro de 2012...
Em Urano, 1 ano dia 18 de junho de 2066...
Em Netuno, 1 ano dia 10 de junho de 2146...




Apesar de tudo, desejo sempre que esse mês passe mais rápido, sem muita demora ...

Independente disso, sempre digo a todos "Meus parabéns! Você completou mais uma volta em torno do Sol" pois a caminhada sempre continua, sempre. Não depende de momentos especiais.

Penso que num dia como esses, devíamos parar e olhar pra nós mesmos, ver o que fizemos em todos esses anos anteriores, o que mudamos, o que não mudamos, o que crescemos, o que regredimos, o que conquistamos, o que perdemos e, acima de tudo, as lembranças e momentos que vivemos em todos os outros dias que não são nossa data de aniversário ...

Eu nasci às 18 de setembro de 1982, entre 18 e 20 horas.

4 Comentários:

Todos os comentários serão moderados (lidos e avaliados) antes de serem postados. Não serão tolerados comentários que:

- Contenham ofensas pessoais ou difamação contra qualquer pessoa ou marca.
- Declarem ou incentivem o racismo ou qualquer tipo de preconceito.
- Possuam links de comércio eletrônico, conteúdo adulto ou divulgação de qualquer site.

Sua opinião é sempre bem vinda e dúvidas serão esclarecidas na medida do possível. :)

Dia do Programador 2010: Brainfuck

quinta-feira, 16 de setembro de 2010, 09:05 Eduardo Rolim 2 Comentários


import datetime
x = datetime.date(2010, 1, 1)
y = datetime.date.today()
if (y - x).days == 256:
    print("Feliz Dia do Programador, via #tocadoelfo!")

u_time hora_postagem = 1284627900;

E mais um Dia do Programador chegou e deixei passar, como sempre e aqui estou para dedicar esse dia aos meus amigos, colegas e a mim mesmo. Então, vamos lá.

Dia 13/09 foi comemorado o dia do Programador. O Dia do Programador é uma data festiva no 256º dia do ano, celebrada por programadores de computador em boa parte do mundo. Este número foi escolhido porque é o maior número que pode ser representado por um byte (oito bits). Além disso, esse número é a maior potência de dois que é menor que o número 365 (o número de dias do ano, duh). Também pode ser representado, em hexadecimal como 0x100 e em octal como 0400.

O Dia do Programador é dia 13 de setembro, exceto em anos bissextos, nos quais ele é comemorado no dia 12 de setembro, pois esse é o 256º dia do ano bissexto.

Meu dia do Programador

Conforme tinha dito ano passado, eu tinha prometido mostrar o código-fonte de minha mais não tão nova linguagem baseada em Brainfuck, chamada T+ (T Plus). Sabe, nunca terminei efetivamente de mexer nela, pq saempre acho que algo deveria ser diferente. O que vocês podem ficar sabendo dela é que ela usa duas pilhas para simular o mecanismo de fita e uma pilha extra, para permitir operações de pilha. Enquanto Brainfuck é equivalente à uma máquina de Turing, T+ é a mesma máquina, só que com uma pilha de memória adicional.

No entanto, não vim aqui para falar da linguagem T+, até porque ainda não decidi uma série de fatores. Eu vim para falar de Brainfuck...




Como diz a Wikipédia:

brainfuck (também conhecido como brainf*ck, ou BF) é uma linguagem de programação esotérica notada pelo seu extremo minimalismo, criada por Urban Müller, em 1993. Ela é uma linguagem Turing completa, desenhada para desafiar e confundir os programadores, e não é útil para uso prático. Pela sua simplicidade, o desenvolvimento de compiladores e interpretadores para essa linguagem é muito mais fácil do que para outras linguagens. O nome da linguagem é geralmente não-capitalizado, apesar de ser um substantivo próprio.


A linguagem em si é simples. Ela implementa uma máquina turing de fita, que constitui de um ponteiro de instrução, um array de pelo menos 30.000 células (de acordo com o criador da linguagem) um ponteiro de dados e dois canais de dados, para receber e enviar dados (em C: stdin e stdout).

Os comandos que a linguagem reconhece são os seguintes:

  1. >: Incrementa o ponteiro de dados (move para a direita);
  2. <: Decrementa o ponteiro de dados (move para a esquerda);
  3. +: Incrementa o byte armazenado na célula apontada pelo ponteiro de dados;
  4. -: Decrementa o byte armazenado na célula apontada pelo ponteiro de dados;
  5. .: Imprime o byte armazenado na célula apontada pelo ponteiro de dados;
  6. ,: Lê um byte da entrada (stdin) e armazena na célula apontada pelo ponteiro de dados;
  7. [: Se o byte armazenado na célula apontada pelo ponteiro de dados for zero, em vez de o ponteiro de instrução se mover para a próxima instrução, ele salta para a instrução após o comando "]" correspondente;
  8. ]: Se o byte armazenado na célula apontada pelo ponteiro de dados for diferente de zero, em vez de o ponteiro de instrução se mover para a próxima instrução, ele salta para trás, para a instrução após o comando "[" correspondente.


Como exemplo de programa escrito em Brainfuck, vamos demonstrar o velho e já clássico Hello World:

++++++++++[>+++++++>++++++++++>+++>+<<<<-]>++.>+.+++++++..+++.>++.<<+++++++++++++++.>.+++.------.--------.>+.>.


Como vc pode ver, não é fácil entender o que o programa faz só olhando assim né? Bom, o Brainfuck têm uma característica interessante: Todos os caracteres que não fazem parte da linguagem são ignorados. Isso nos permite poder escrever código com comentários sem nenhuma necessidade de sintaxe especial e em qualquer parte do programa. Vejamos agora uma versão do mesmo programa, com comentários:

+++++ +++++ inicializa um contador para o laço de repetição (célula #0) com o valor 10
[ usa o loop para definir o valor das próximas quatro células com os valores 70, 100, 30 e 10
> +++++ ++ adiciona 7 à célula #1
> +++++ +++++ adiciona 10 à célula #2
> +++ adiciona 3 à célula #3
> + adiciona 1 à célula #4
<<<< - decrementa contador (célula #0)
]
> ++ . imprime 'H'
> + . imprime 'e'
+++++ ++ . imprime 'l'
. imprime 'l'
+++ . imprime 'o'
> ++ . imprime ' '
<< +++++ +++++ +++++ . imprime 'W'
> . imprime 'o'
+++ . imprime 'r'
----- - . imprime 'l'
----- --- . imprime 'd'
> + . imprime '!'
> .


Bom, eu gosto da linguagem, apesar de não conseguir escrever programas de maneira efetiva nela. Eu gosto dessa área de compiladores, e entender como ela funciona foi meu objetivo primário quando fiquei sabendo dela.

Dentre algumas coisas que aprendi a fazer foi operações básicas. Como o array de dados usa células com valores inteiros, nada mais justo que descobrir como fazer operações aritméticas com brainfuck. Vou citar primeiro as minhas conclusões e descobertas (e suas respectivas representações) e depois alguns recursos úteis que você pode aplicar em seus códigos:

Minhas Descobertas:

Limpando uma célula: {x} -> {0}
[-]

Movendo um valor: {x, 0} -> {0, x}
[->+<]

Copiando um valor: {x, 0, 0} -> {x, x, 0}
[->+>+<<]>>[-<<+>>]<<

Fazendo soma: {x, y} -> {0, x+y}
[->+<]

Fazendo subtração: {x, y} -> {0, x-y}
>[-<->]<

Fazendo multiplicação: {x, y, 0, 0} -> {0, y, x*y, 0}
[->[->+>+<<]>>[-<<+>>]<<<]

Fazendo exponenciação: {x, y, 0, 0, 0} -> {x, 0, x**y, 0, 0}
>>+<[->[-<<[->>>+>+<<<<]>>>>[-<<<<+>>>>]<<]>[-<+>]<<]<

Fazendo divisão: {x, y, 0, 0, 0, 0} -> {x/y, x%y, 0, 0, 0, 0}
[>[->+>+<<]>[-<<-[>]>>>[<[-<->]<[>]>>[[-]>>+<]>-<]<<]>>>+<<[-<<+>>]<<<]>>>>>[-<<<<<+>>>>>]<<<<<
Obs.: Quando y é igual a zero, o código entra em looping infinito.

Funções úteis:

Limpando a célula atual e todas as anteriores
[[-]<]

Lendo e imprimindo na tela
,[.,] ou ,+[-.,+] ou ainda ,[.[-],]

Fazendo uppercase
,----------[----------------------.,----------]

Fazendo buscas
Para frente: -[+>-]+
Para trás: -[+>-]+
Nesse exemplo, o código procura por uma referência de valor 1. Para procurar por referências a outros números, aumente o número dos + e - na quantidade do número. Ex.:
5: -----[+++++>-----]+++++

Exemplos de compiladores e interpretadores

Como não podia deixar de falar, existem centenas de compiladores e interpretadores de Brainfuck por aí. Uma simples busca pelo Google retornará versões para várias linguagens, inclusive interpretadores de Brainfuck escritos em Brainfuck!

Eu tenho aqui três exemplos que implementei durante meus estudos com a linguagem:
  • bf_gerador_codigo.c: Um gerador de código escrito em C que, na verdade, converte o programa em Brainfuck para uma versão em C
  • bf_interpretador.c: Um interpretador escrito em C;
  • bf_python.py: Um gerador de código escrito em Python, que converte para Python e que também é um interpretador.


Se você quiser testar, pode entrar no Javascript Brainfuck Interpreter / Debugger. Muito bom o site, pois te permite acompanhar passo-a-passo a execução do código.

T Plus - A variação de Brainfuck com suporte a uma pilha extra de dados

Como falei no começo do post, a minha linguagem derivada de Brainfuck ainda não está pronta por pura preguiça dessa pessoa que vos escreve. No entanto, pelo menos a definição da linguagem já está especificada. A linguagem usa os mesmos oito operadores do Brainfuck para fazer as operações na fita, e também têm operadores adicionais para interagir com a pilha. Os comandos são os seguintes:

  1. ): Adiciona o valor da célula corrente no topo da pilha (push);
  2. (: Retira o valor do topo da pilha e coloca na célula corrente (pop). Uma pilha vazia retorna zero;
  3. @: Pega o valor do topo da pilha e coloca na célula corrente (peek);
  4. #: Remove o valor do topo da pilha, sem adicionar na célula corrente (drop);
  5. =: Define o valor da célula como a soma do seu valor anterior com o valor do topo da pilha (peek);
  6. _: Define o valor da célula como a diferença do seu valor anterior com o valor do topo da pilha (peek);
  7. }: Desloca os bits do valor da célula corrente para a direita pelo valor do topo da pilha (peek);
  8. {: Desloca os bits do valor da célula corrente para a esquerda pelo valor do topo da pilha (peek);
  9. |: Define o valor da célula com o resultado da operação lógica OR, do seu valor anterior com o valor do topo da pilha (peek);
  10. &: Define o valor da célula com o resultado da operação lógica AND, do seu valor anterior com o valor do topo da pilha (peek).


Então, essa é a minha linguagem, T+ (T Plus). Há uma série de coisas que ainda preciso decidir sobre a sua gramática, de forma a não acontecer o que aconteceu com o Brainfuck, onde definições como a forma que o array de dados é iniciado fizeram com que a linguagem tivesse algumas variações que dificultam a portabilidade do código ou se permito o uso da pilha para armazenar uma determinada posição do ponteiro de programa (e permitir um funcionamento similar ao goto). Tudo isso ainda está por ser decidido, antes que eu realmente implemente a linguagem.

Conclusão

Uma das coisas legais da linguagem Brainfuck é que ela é uma linguagem Turing Completa, ou seja, implementa uma Máquina de Turing, o que significa que qualquer problema recursivamente enumerável pode ser resolvido usando a linguagem.

Bom, é isso. Apesar do atraso, estou postando meu post para o Dia do Programador! Felicidades para todos, e espero que este post tenha sido legal, intuitivo, didático e que vocês tenham aprendido algo com ele.

Referências:

Wikipédia em Português:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_do_Programador
Desciclopédia:
http://desciclo.pedia.ws/wiki/Brainfuck
Brainfuck, na Uncyclopédia:
http://uncyclopedia.wikia.com/wiki/Brainfuck
Exemplos de programas em Brainfuck:
http://esoteric.sange.fi/brainfuck/bf-source/prog/

2 Comentários:

Todos os comentários serão moderados (lidos e avaliados) antes de serem postados. Não serão tolerados comentários que:

- Contenham ofensas pessoais ou difamação contra qualquer pessoa ou marca.
- Declarem ou incentivem o racismo ou qualquer tipo de preconceito.
- Possuam links de comércio eletrônico, conteúdo adulto ou divulgação de qualquer site.

Sua opinião é sempre bem vinda e dúvidas serão esclarecidas na medida do possível. :)

Hidromel - A bebida dos Elfos

sexta-feira, 10 de setembro de 2010, 19:16 Eduardo Rolim 5 Comentários

Eu as vezes fico pensando quantas vezes, nos grandes salões élficos de nossas histórias de Rpg, uma decisão foi tomada e como comemoração foi distribuído uma deliciosa bebida fermentada à base de mel. Os anões dizem que sua pinga é melhor, mais forte mas, como elfo que sou, não me importo com isso e sim com o delicioso sabor que a bebida proporciona, quase se comparando com a histórica miruvor. Bom, queridos leitores, hoje vamos falar sobre essa bebida chamada Hidromel, que fez parte da alcóolise (hehe, inventei) de muitos de nossos personagens.

Mas, o que significa hidromel?

Mead, Methus, Med, Hidromel, Hydromel, Hidromiel, Melomel e Medovina são os vários nomes dados a essa bebida. O nosso dicionário Aurélio nos faz acreditar que hidromel seria uma mistura de mel e água e nos remete ainda, para um sinônimo, mulso, que seria uma mistura de vinho e água.

Esclarece-nos ainda que o termo hidromel vem do grego através do latim, sempre como mel e água, hydromeli.

Tudo está etimologicamente correto mas muito distante do que é realmente hidromel.

O dicionário português Lello, aproxima-se mais da realidade acrescentando o conceito de fermentado de mel.

O hidromel é realmente um fermentado de mel e água, mas foi desenvolvido ao longo de muitos milênios por diversas e sucessivas civilizações...



Feita à base de mel, o hidromel (ou mead) é uma bebida antiga, mais que o vinho, e mais ainda que a cerveja. E diferente do que normalmente se pensa, não era consumida somente pelos nórdicos, mas também pelos gregos, romanos e hindus. Várias lendas envolvem a bebida, e vale a pena fazer algumas referências.

O hidromel é obtido pela transformação dos acúcares do mel em álcool, assim, é imprópiamente chamado de vinho de mel, pois "vinho' é um termo consagrado universalmente ao produto da fermentação da uva.

O mel quando colhido "maduro" ou seja quando extraído de favos que foram completamente operculados, pelas abelhas, tem um teor de umidade por volta de 20%. Sob esta proporção de água dificilmente é fermentado. Se o teor de umidade aumentar em 2% pode iniciar-se uma fermentação. Os fermentos que estão presentes no ar no pólen e no próprio mel, podem começar a se multiplicar e transformarem os açúcares do mel em álcool.

A técnica de fabricação do hidromel, consiste em facilitar ao máximo, a ação de microscópicos e fantásticos fungos, chamados: Saccharomyces Cerevisiae

Para uma fermentação completa e que confira um teor alcoólico desejado de 12%, deve se inverter as proporções mel/água. Ou seja: 80% de água e 20% de mel, além de aportar à esta mistura o fermento apropriado bem como os necessários sais nutrientes para o seu bom desenvolvimento e reprodução .

O fermento como toda criatura vivente necessita de oxigênio. Primeiramente o retira do ar que se encontra dissolvido na mistura de mel e água (mosto). Quando gasta todo este oxigênio que estava presente no mosto, passa então a resistir à sufocação retirando o oxigênio das moléculas de açúcar. Acontece uma reação química

C6 H12 O6 = 2CO2 + 2C2 H5 OH

Transformando o açúcar em gás carbônico e álcool

Na verdade são produzidas inúmeras outras substâncias, como ácido succínio, glicerinas, etc...

Assim a produção do hidromel é anaeoróbica, tem que se desenvolver com a ausência do oxigênio livre, obrigando ao fermento retirar seu oxigênio da molécula de açúcar. É sempre mais fácil para o fermento, respirar o oxigênio dissolvido no mosto, tal como um peixe que retira o oxigênio dissolvido n'água. Mas quando o fermento respira oxigênio dissolvido no mosto, ele se reproduz mas não fabrica álcool apenas gás carbônico.

O mel é pobre em proteinas e estas estão diretamente relacionadas com a quantidade de sais minerais nos alimentos, desta forma, o mel não é capaz de suprir todos os sais minerais que os fermentos necessitam para o seu desenvolvimento.Daí a necessidade de se adicionar sucos de frutas (melomel) ou sais minerais ao mosto para a boa fermentação.

Os fermentos analisados químicamente demonstram que são constituídos de nitrogênio, potássio, sódio, cálcio, magnésio, ácido fosfórico, ácido sulfúrico, ácido silícico, cloro, etc., em proporções bem determinadas, daí a necessidade de na falta ou escassez acrescentar sais nutritivos.

Fórmula de Gastine:

Fosfato de amônio - 100 g
Tartrato neutro de amônio - 350 g
Bitartrato de potássio (cremor de tártaro) - 600 g
Magnésia calcinada - 20 g
Sulfato de cálcio (gesso) - 50 g
Cloreto de sódio (sal) - 3 g
Enxofre - 1 g
Ácido tartárico - 250 g

Total - 1.374 g

A dose é de 5 g por litro de mosto. O pólen pode suprir deficiências em sais minerais e se estiver usando mel de opérculos, a quantidade de sais minerais é inteiramente suficiente para a boa fermentação.

Acetificação

Se houver muito oxigênio do ar ambiente em contato com o mosto em fermentação, pode aparecer um outro tipo de fermento e se desenvolver produzindo vinagre. Uma vez produzido o vinagre era uma vez o hidromel...

O vinagre de mel é incomparavelmente superior ao vinagre de vinho, mas isto é uma outra história, outra tecnologia... O fabricante de hidromel deve fugir desta bactéria como o diabo foge da cruz pois, um ambiente onde a cultivou fica contaminado por muito tempo e ameaça a fabricação do hidromel. Não se pode fabricar hidromel onde já tenha sido fabricado vinagre!

Para que não ocorra esta acetificação, o mosto deve ficar isolado do ar ambiente, em recipiente quase que herméticamente fechado e com uma válvula de fermentação, que permite a saida do gás carbônico, mas impede a entrada do ar. E ainda, não deve ter esta bactéria (Acetobacter Aceti) semeada na mistura. Daí uma das explicações de porque o mosto deve ser esterilizado por fervura (2 minutos): para matar todos os germes e leveduras e depois deixado esfriar até 27 a 36 C para adição do fermento selecionado, tudo de forma extremamente controlada.

Os tipos de fermentos

Os fermentos selecionados, são cepas de Saccharomyces Cerevisiae, que resistem à sufocação eficientemente, podendo elevar o teor alcoólico do hidromel até 15 graus por volume. No início da fermentação existem geralmente 3 tipos de leveduras presentes no mosto:

A espécie de levedura Saccharomyces Apiculatus, que tem a forma de um microscópico limão ,utiliza 21 a 22 gramas de açúcar para dar 1 grau alcoólico, e cessa sua atividade quando atinge 5 graus.

Já a levedura de Pasteur, Saccharomyces Pastorianus, tem uma forma muito alongada, consome 20 g de açúcar para produzir 1 grau alcoólico, e chega a dar no final da fermentação um teor alcoólico muito elevado. É menos perdulária que a anterior.

A mais econômica é a Saccharomyces Ellipsoideus, que tem por forma, como o seu próprio nome indica, uma elipse,de 10 microns em sua maior dimensão. Esta gasta 17 a 18 g de açúcar para produzir 1 grau alcoólico.

Existe então o interese do fabricante de hidromel em eliminar a duas primeiras espécies de saccharomyces e deixar desenvolver no mosto, tão somente a sacch. ellipsoideus.

Engarrafando ou envelhecendo o hidromel

A fase de fermentação tumultuosa, pode durar uns oito dias. Logo que todo o oxigênio do mosto for consumido, a fermentação passa a ser menos perceptível ao olho nú. Esta é a fase da fabricação do álcool, e pode durar uns 80 dias, após este periodo o mosto torna-se cada vez mais límpido, devido à inerente diminuição da densidade da mistura (quanto mais álcool menos densa) determinando a precipitação de inúmeras partículas que antes conseguiam se manter em suspensão em uma mistura mais densa.

Depois destes 80 dias o hidromel ainda se encontra em fermentação, tão lenta que é verdadeiramente imperceptível . Mas ela está se processando e ainda gerando gás carbônico e, se o hidromel for engarrafado nestas condições, poderá estourar as garrafas de vidro. no entanto ele já poderá ser consumido quase que de imediato ou acondicionado sob refrigeração, processo que faz com que o processo de fermentação diminua, impedindo significativamente a produção de gás carbônico. No entanto se este for retirado da geladeira, o processo de aumento da temperatura irá reativar a fermentação e a subsequente produção de gás carbônico. Esse processo pode ser parado através da pasteurização, que provoca a morte de todo o fermento.

Este hidromel novo de 80 dias é apenas palatável, e se guardado por longo tempo (2 anos) em barril de carvalho, adquire um sabor inigualável.

O hidromel posto à venda na Europa, tem geralmente 2 anos de maturação em barris de carvalho e o OLD no mínimo 8 anos! A diferença de preço é proporcional ao tempo de envelhecimento da bebida.

Histórias sobre o Hidromel

Zeus, o deus supremo, metamorfoseado em em águia, raptou o rapaz Ganimedes para ser o copeiro do Olimpo. Os deuses se alimentavam de néctar e ambrosia. O hidromel era o néctar dos deuses e o pólen a ambrosia.Os deuses compartilhavam esta maravilhosa bebida com os humanos em suas frequentes visitas a Terra. O deus Dionísio certamente conhecia o hidromel e dele fazia uso e abuso.

A bebida que dava imortalidade aos deuses, na mitologia grega, é a Ambrosia – que é um outro nome para o hidromel. Nos Vedas hindus (hinos religiosos escritos por volta de 1.500 a.C), também aparece como sendo uma bebida ligada aos deuses.

No entanto, o mais comum é relacioná-la aos povos do norte da Europa, onde, além de um importante papel dentro da mitologia, a bebida era utilizada em cerimônias de casamento: acreditava-se que o casal devia tomar a bebida após a celebração, pois os deuses abençoariam a união e daria ao casal um filho varão. Na mitologia, a história é um pouco mais longa.

Ao final da guerra entre os Aesir e os Vanir, os deuses cuspiram em um grande jarro (outras versões dizem que cada um deles verteu um pouco de sangue no recipiente) para selar a Paz. Para guardar o jarro, os deuses criaram Kvasir, um deus sábio e de grande conhecimento.

Kvasir, em suas viagens pelo mundo, onde ensinava e aprendia, chegou ao reino dos anões e lá foi assassinado. Ao seu sangue os anões misturaram cerveja, e a bebida resultante foi batizada de “Bebida dos Deuses”, pois provinha do sangue de um deus e dava grande conhecimento àquele que a bebesse. Gigantes invadiram a morada dos anões e levaram a bebida, e para recuperá-la, Odin disfarçou-se de gigante, seduziu a guardiã e tomou a bebida para si, levando-a para Asgard. De posse dos deuses, a bebida passou a ter propriedades proféticas.

Como o próprio nome pode nos dizer, hidromel é composto, essencialmente, de água e mel. No entanto, é uma bebida fermentada, então temos algumas leveduras para a fermentação. E quanto mais envelhecida, melhor ela fica.

E para finalizar, temos aqui duas versões da bebida, uma alcoólica, para os apreciadores de plantão, e outra sem álcool. Divirtam-se!

Hidromel Suave

- 1 litro de água, de preferência mineral (não deve ser da torneira, pela quantidade de substâncias que possui)
- 1 xícara de mel
- 1 limão fatiado
- 1/2 colher de chá de noz-moscada

Ferva todos os ingredientes. Enquanto ferve, retire a “nata” com uma colher de pau. Quando não estiver soltando “nata”, acrescente o seguinte:

- Uma pitada de sal
- Suco de meio limão

Coe e deixe esfriar.

Hidromel alcoólico

- 1 litro de água mineral
- 1/2 kg de mel (viscoso, mais encorpado)
- Suco de 1 limão

Ferva a mistura e deixe esfriar. Só depois que esfriar, coloque o fermento biológico (nada de fermento pra bolo). A fermentação gera CO2 e álcool, que vai deixar a bebida… hã, alcoólica. O álcool gerado do mel precisa ficar, mas o CO2 precisa sair. Então, para fermentar sem que entre ar na sua mistura (e o hidromel não vire vinagre de mel) e para que o gás carbônico seja expelido, engarrafe o líquido, tape com uma rolha, fure-a e coloque uma mangueirinha, que deságue em um copo cheio de água. Isso fará com que o gás carbônico saia e impedirá que o oxigênio entre.



Nota: a fermentação acontece graças à produção de fungos (sim, se você tem medo deles, melhor nem tentar fazer). Portanto, mantenha a mistura em uma garrafa escura (aquelas de vinho são o suficiente) e em um lugar abrigado da luz. Espere alguns meses e divirta-se.

http://forum.valinor.com.br/archive/index.php/t-16218.html

Outras receitas de Hidromel

Hidromel Suave

- 1 litro de água, de preferência mineral (não deve ser da torneira)
- 1 chávena de mel
- 1 limão cortado
- 1/2 colher de chá de noz-moscada

Ferva todos os ingredientes. Enquanto ferve,
retire a "nata" com uma colher de pau. Quando não estiver mais a soltar"nata"
acrescente:

- Uma pitada de sal
- Sumo de meio limão

Coe e deixe ficar frio.

Hidromel II

Ingredientes:
- 2kg de mel novo
- 50l de água
- 1 punhado de alecrim
- 1 punhado de tomilho
- 1 punhado de louro
- 1 punhado de roseira brava
- 2 ou 3 punhados de malte moído
- tostadas com levedura
- 45g de cravos
- 45g de noz-moscada
- 45g de macis

Procedimento:
Ferva o mel novo na água. Coe bem. Acrescente os punhados de alecrim, tomilho, louro e roseira brava. Ferva a mistura por uma hora, pondo-a em seguida num tonel com o malte moído. Mexa até estar tépido e coe num pano passado para outro tonel.

Espalhe um pouco de tostadas com levedura e despeje o líquido. Quando o hidromel estiver coberto de levedura, despeje em uma pipa. Amarre os cravos, os macis e a noz-moscada num saco e pendure na pipa. Feche a pipa por seis meses e engarrafe. Certifique-se de que todos os recipientes foram esterelizados antes do uso.

Hidromel com chá

Ingredientes:

- 1 litro de chá mate
- 1 limão grande
- 1/2 copo de mel

Modo de fazer:
- Enquanto o chá estiver quente, adicionar algumas lascas de limão.
- Deixar amornar e coar.
- Adicionar o mel e o sumo de limão.
- Colocar gelo à vontade.

Hidrómel rápido

Para 2 Litros

- 1,2 kg de mel;
- 2.5 l de agua mineral;
- 2 colheres de café de levedura de cerveja ou de padeiro ou
- 1/2 c de café de gengibre em pó;
- 1/2 c de café de pimenta;
- 1/2 c de café de cardamomo em pó;
- 4 cravos-da-índia moídos;

No recipiente ferva o mel até ficar liquido e escoe-o.

Acrescente a água quente, dilui-lo bem e ferver outra vez até ele reduzir um quarto.
Quando estiver verta o todo para um jarro até ele ficar morno e acrescente a levedura tendo o cuidado de misturar bem. Meta todas as especiarias dentro de um saquinho de linho bem atado e largue-o dentro do jarro e cubra-o com um pano.

Meta em cima do radiador mesmo na cozinha mas tenha o cuidado de por de baixo do jarro um prato fundo para o caso de vir por fora. Ao fim de 2, 3 dias engarrafar e deixar em local fresco e escuro. Lembre-se que quanto mais tempo mais ele fica apurado.

Hidromel Russo

Ingredientes para 15 Litros de água:
- 6 kg de mel,
- 3 c de levedura de cerveja,
- 15 g de canela,
- 15 g de cardamomo em pó,
- 25 g de gengibre.

Preparação:

Numa recipiente bastante grande ferva o mel e escoe-o. Depois acrescente a agua as especiarias e deixe ferver até que o líquido tenha reduzido mais ou menos um quarto. Retire então o recipiente do lume e espere que amorne para acrescentar a levedura diluída em um pouco de água.

Deixe repousar uma noite ou um dia inteiro.

Depois escoe de novo e mude-o para um barril bem lacrado e deixe repousar desta vez por 15 dias num sítio fresco.

Passado 15 dias engarrafe o hidromel e guarde-o deitado num lugar fresco e espere 2 meses antes de o saborear.

Cocktail Gaulês:

Diretamente no copo deite:

- metade de cerveja preta
- metade de hidromel

KIR Gaulês:

Diretamente no copo deite:

- Um terço de licor de groselha preta
- Dois terços de hidromel

Grog Gaulês:

Ingredientes:
- 2/3 de agua
- 1/3 de hidromel
- 1 raspa de limão
- 1 c. de café de mel

Ferva a agua e deite na caneca sobre o hidromel. Acrescente a raspa de limão e o mel.

Fontes:

'Livro Mágico da Lua', de D.J. Conway.

Guia Essencial da bruxa solitária de Scott Cunningham

Http://www.atontour.com/cocktail/779.html

www.hydreaumiel.org/degustation/cocktails.html

http://www.papodebebado.com/hidromel/

http://www.apacame.org.br/mensagemdoce/63/hidromel.htm

5 Comentários:

Todos os comentários serão moderados (lidos e avaliados) antes de serem postados. Não serão tolerados comentários que:

- Contenham ofensas pessoais ou difamação contra qualquer pessoa ou marca.
- Declarem ou incentivem o racismo ou qualquer tipo de preconceito.
- Possuam links de comércio eletrônico, conteúdo adulto ou divulgação de qualquer site.

Sua opinião é sempre bem vinda e dúvidas serão esclarecidas na medida do possível. :)

Blogday 2010

quarta-feira, 1 de setembro de 2010, 18:47 Eduardo Rolim 6 Comentários

"Blogar" é um verbo…
… cada vez menos transitivo!

Vindemiatrix Almuredin (2008)


Mais um Blog Day chegou né pessoal! Nesse dia especial que já passou pq o dono deste blog que vos fala esqueceu de agendar a postagem vamos homenagear as pessoas que se sacrificam para escrever posts que tornam a web cada vez mais interessante.

É engraçado, de uns anos para cá a coisa mudou bastante. Primeiro foi a febre do Geocities, que permitiu pela primeira vez pessoas sem recursos para montar um servidor web a montarem páginas com conteúdo próprio. Acredito que muitos sites surgiram e cresceram a partir do Geocities, tanto que várias outras iniciativas (kit.net, HpG e hoje o Google Sites) foram criadas para atender essa necessidade da época.

Logo veio o IRC, o ICQ e depois o MSN, que vieram dar início a um movimento em direção à formação de comunidades, culminando com a formação de sites de comunidades como Orkut, MySpace, Facebook e outros. Há também os wikis, que surgiram da necessidade de se descentralizar a geração de conteúdo de uma única pessoa ou equipe para várias pessoas, por vezes até não relacionadas com a área de desenvolvimento web.

O que falar do Twitter? Rede de microblogs onde as pessoas escrevem mensagens de 140 caracteres e seguem os microblogs que lhe são relevantes (palavra que ficou bem em voga por causa do serviço), criando grandes aglomerados de pessoas, com o intuito de escrever. O que escrevem não importa, o importante é estar escrito.

Mas, nenhum desses exemplos se igualam ao movimento que se desenvolveu a partir do simples ato de publicar textos e hoje até tem um verbo próprio, o verbo "blogar".

Blogar: Verbo Intransitivo; Eu Blogo, Tu blogas, Ele Bloga ...



O engraçado é que hoje, grande parte do conteúdo que nós procuramos surfando na internet pode ser encontrado em blogs. Cada um escreve sobre o que gosta, comenta os assuntos de que gosta e, por incrível que possa parecer, isso é o que na minha opinião o blog têm de melhor em relação às outras formas de disseminar informação pena rede. No blog eu não preciso ter referências do assunto que eu quero falar. Se eu quiser, por exemplo, falar que o homem não foi à lua, eu posso. Claro que não vai ser uma coisa muito coerente, mas o que está em pauta não é se o assunto do post é ou não relevante, mas que o escritor acredita naquilo que ele escreveu. Essa é a minha crença nos blogs.

Eu vejo por aí muitos blogs que funcionam de maneiras deveras diversas mas, em qualquer nível, é perceptível essa crença. Alguns blogam porque têm fé na utilidade que o blog têm para divulgar idéias e opiniões; outros porque é uma excelente forma de tirar uma renda extra, mesmo que não seja muita; para outros ainda é uma excelente forma de ter seu material intelectual publicado e comentado por aqueles que se interessam; e para alguns, é uma ferramenta de descontração.

Classificar blogs também não é uma tarefa fácil, pois blogs são únicos. Um blog nunca vai ser igual a outro, mesmo que sejam classificados na mesma categoria mas podemos tentar, pelo menos. Primeiro vêm os blogs de variedades (como este blog), onde não há um tema específico a ser tratado. Temos os blogs de nicho, que costumam ser centrados em um tema ou vários, mas sempre mantendo o foco. Temos também os blogs-agenda, onde quem os escreve relata passos da sua vida ou escreve poemas, textos ou o que mais seria escrito numa agenda ou algum caderno de anotações. Há os blogs atratores do spider do Google, os blogs de SEO, os blogs de tutoriais, os blogs de ...

Concluindo, o conteúdo não é o mais importante de um blog. É a atmosfera de comunidade que se forma em torno dos blogs que os tornam tão especiais. Não fosse isso, a blogosfera não seria um movimento tão expressivo como é e nem teria um dia especial para ela.

Bom, falando em dia da Blogosfera, lembrei-me que hoje é o dia do Blog. Conforme um post anterior (que ainda não corrigi), hoje é um dia onde todos os blogueiros deveriam tirar alguns minutos de seus dias para comentar um pouco mais sobre outros blogs, relacionados ou não aos seus próprios blogs.

Lista de blogs do Blog Day 2010

Para este ano, eu selecionei alguns blogs que venho lendo mais frequentemente, nesses últimos meses.

Blog: Blog do John

O primeiro deles é o blog de um amigo e fã do #tocadoelfo.

Esse blog é um blog de um amigo meu, fã do meu blog, e que apesar de ele dizer que não, o blog dele é muito legal. Foi até ele quem criou um quadrinho sobre minha pessoa, que ficou muito legal. Atualmente ele está postando histórias antigas suas, como um diário. Tou sempre acompanhando, apesar de não ser do tipo que comenta muito em blogs.

Excelente blog, recomendo a todos!

Blog: Vivo Verde

Em segundo lugar, vou falar de um blog que têm tudo a ver com elfos druidas como eu: Vivo Verde. O blog da conterrânea Daiane Santana trata de temas todos relacionados à meio ambiente. Inclusive, com uma revista lançada por estes dias! Blog de nicho e com MUITO conteúdo!

Blog: Dexland

Grande @dexland, tatuador, twitteiro, blogueiro e um excelente amigo, posta suas produções textuais e gráficas em um blog bem descontraído.

Falando de suas experiências pessoais, mostrando desenhos e produções gráficas suas ou mesmo divagando um pouco, ele mostra um pouco mais da sua vida, das coisas que gosta, e por aí vai. É um blog pessoal, mas com ótimos textos e ótimos desenhos!

Blog: Vida de Dois Ursos

Temos em seguida o blog de dois amigos ursinos que vivem sob um pseudônimo, e não é Augusto dos Anjos. Estamos falando de @DoisUrsos.

É um blog pessoal, tipo diário. Nele os meus amigos "dois em um" falam sobre suas experiências de vida como ursos nesse mundo "straight". Temas interessantes e criativos. Boa leitura viu!

Blog: Perdido na Selva de Pedras

Tem também o blog do @Lucas_Pasin ...

Não há muito o que comentar, somente que todas as vezes que li um de seus textos, saí do blog com aquela sensação saudosista de que o passado não volta mais. Incrível como ele alcança a gente com seus textos bem produzidos! Altamente recomendado!

Blog: Passageiro do Mundo

E por último, queria falar que este blog eu já acompanho desde que eu saí do armário publicamente. É o ...

O tema é claro: mundo gay. Ao mesmo tempo em que seu autor discorre sobre problemas desse mundo, também coloca coisas relacionadas às suas experiências de vida. Vez ou outra tb divulga festas LGBT no seu blog. Gosto de ler, está nos meus RSS.

Extra!

Nesse momento, queria só acrescentar um blog, beeeeeeeeeeeeeeeeeeeeem diferente de todos.

Blog: Pituca do Cheetão

Assim, é difícil achar uma definição melhor que a do próprio blog: "O blog mais merda do mundo". Eu acho e não acho. O POW (eh, o nome dele é uma onomatopéia) escreve de uma maneira bem ... engraçada ... e trás uns posts interessantes, principalmente na área de warfare, já que ele é o maior gamer que eu já conheci (rapaiz, já conheci alguns, mas não alguém que joga tantos jogos tão bem). Vale a pena a olhada. Sério mesmo

Ufa, terminei! Então, deixo aqui minha participação no Blog Day 2010 e espero que todos vocês estejam comigo no ano que vêm. Não só lendo e comentando, mas blogando também, porque não?

Abração! Que so bons ventos os guiem em suas sendas e que a luz das estrelas se faça sempre presente em suas vidas!

Fui-me!!

6 Comentários:

Todos os comentários serão moderados (lidos e avaliados) antes de serem postados. Não serão tolerados comentários que:

- Contenham ofensas pessoais ou difamação contra qualquer pessoa ou marca.
- Declarem ou incentivem o racismo ou qualquer tipo de preconceito.
- Possuam links de comércio eletrônico, conteúdo adulto ou divulgação de qualquer site.

Sua opinião é sempre bem vinda e dúvidas serão esclarecidas na medida do possível. :)